4 nomes de marcas que você não sabia pronunciar

Nomes estrangeiros básicos você até consegue dar um jeito de pronunciar sem grandes problemas com as aulas de idiomas da escola…
Mas algumas marcas me causavam grandes dificuldades na hora de falar em voz alta! De grifes internacionais à marca de carro estrangeira. Aposto que você também não tem total certeza da pronúncia certa para “Ermenegildo Zegna”, né? Para aprender, fui atrás da pronunciação correta e agora divido com vocês, 4 nomes de marcas que todo mundo (ou quase) tem dificuldade em pronunciar!

Como eu não sou uma estudiosa das línguas e não sei nada de grafias para pronúncias que só os dicionários utilizam, não liguem para o jeito como eu tento explicar a pronúncia!

1. Tommy Hilfiger

Confesso que até o presente momento, evitava ao máximo falar o nome dessa marca em voz alta. Se fosse necessário, só dizia: Tommy e olhe lá. Ô sobrenome difícil… Ainda bem que internet tá aí pra isso e como pai Google tem resposta pra tudo: tem até vídeo com várias repetições com a pronúncia correta em sotaques diferentes…

Pra quem não quer dar o play, eu adianto a respota: o jeito certo é ~tômi riufaiguer~ (#risos).

2. Levi’s

Quem nunca ouviu falar das famosas calças jeans Levis? Eu acreditava falar corretamente o nome da marca até exatos minutos atrás. Até que comecei a pesquisar para esse post e descobri que estava completamente enganada. Acho que 97% das pessoas também falavam assim como eu: ~lévis~. E o nome americano original não chega nem perto. O certo é: ~livais~ (#acredite).


3. Christian Loubotin

Um dos estilistas mais famosos e desejados de sapatos pelas mulheres, tornou fácil o reconhecimento de seus modelos: só olhar o salto alto associado a uma sola vermelha. Agora ninguém disse que seu sobrenome também ia ter fácil pronúncia. Outra marca que pronunciava erroneamente, mas agora aprendi e divido com vocês! O certo é ~cristian lubutan~.

4. Hyundai

Pra finalizar e sair um pouco do mundo da moda, uma marca de carros que vem roubando a cena no cenário brasileiro. O que ninguém sabia é que todo mundo andava falando errado o nome da montadora coreana. E isso não é só aqui no Brasil, não. Tanto que em 2009, a Hyundai lançou um comercial no Super Bowl muito divertido, mostrando isso! Vale a pena ver! Ah, o jeito certo é ~hiundei~ (like sunday)

Como não consegui achar legendado, vai aqui uma explicação do anúncio: Nas reuniões das principais montadoras pelo mundo, os executivos estão bravos porque a Hyundai ganhou o prêmio de Carro do Ano e não eles. O locutor no final diz: Um único pequeno prêmio e de repente, todo mundo fala seu nome direito. É Hyundai como Sunday.

+PLUS:

Claro que não são somente essas marcas que trazem dúvidas sobre a pronunciação. Por isso, a Bomoda, um e-commerce chinês fashion lançou um vídeo mostrando pessoas se confundindo na hora de falar o nome de grifes famosas. Aposto que você também se confunde para falar: Louis Vuitton, Hermès, L’Occitane e Ermenegildo Zegna, não é?

 

Anúncios

4 anúncios que vão fazer você se apaixonar pela publicidade chinesa

Estava olhando uma coletânea de anúncios JWT de diversos países e comecei a reparar que meus preferidos foram aqueles que vinham do outro lado do mundo!

Esqueça todos os seus preconceitos pela China. País rural atrasado por conta do socialismo? Com certeza, não. O país mais populoso e com a segunda maior área, é também o maior parceiro de negócios da União Europeia e a segunda maior economia do mundo.

Toda essa grandiosidade aparece nesses anúncios minuciosos que separei aqui. A ideia original pode até ser simples, partindo do senso comum. Sacadas universais que podemos identificar na nossa cultura também. Mas a produção por trás fez com o que o resultado final ficasse impecável, incrível.

Não sei se é pretensão demais, mas pra mim, alguns chegam a ser mais obras de arte do que publicidade mesmo (não que as piadas por trás não tenham o lado comercial #masnéfazparte). Curti muito!

1. “Heaven/Hell”

JWT Shanghai para Samsonite (2012) “Inferno/Céu”

Todo mundo, que já tenha ou não viajado de avião, sabe que isso acontece… As malas são “mal tratadas” a partir do momento que você as despacha. Ao mesmo tempo, a marca Samsonite é conhecida por ter os modelos mais resistentes.
Talvez, se o anúncio ficasse apenas nessa de fazer piada a partir de uma situação comum na categoria, ele fosse só mais um. Claro, um anúncio engraçado, mas nada demais. A riqueza de detalhes da ilustração porém, eleva o print para outro nível, muito mais além. A arte é muito boa, no nível: esculturas gregas expostas em museus que você paga para ver. Literalmente. Vale a pena clicar na imagem pra conferir em tamanho maior!

2. “Don’t let germs settle down”

JWT Shanghai para Maxam (2012)  “Não deixe os germes se acomodarem”

Outro anúncio que me ganhou pelos detalhes perfeitos e ricos partindo de uma ideia simples e divertida! Aquele discurso comum na categoria de pastas de dentes, sobre como elas são eficazes na limpeza e prevenção contra germes em sua boa é no mínimo, entediante e batida. Você tem coragem de dizer isso sobre esse anúncio? Não mesmo.

3. “Chinese Wedding”

JWT Shanghai para Henkel/ Pattex (2012) “Casamento chinês”

Esse não é tão artístico assim, do tipo abrir a boca e babar. Mas também gostei da produção e da gracinha por trás: a super cola Pattex que “une até que a morte os separe”. O legal aqui é pensar que as vezes uma cultura diferente da qual estamos acostumados, nem é tão diferente assim no mundão (ou será mundinho?) de hoje. Afinal, a piada é entendida por chineses e brasileiros, não? Ah, vale a pena ver a versão com o casamento de um “óculos”. Só clicar na imagem!

4. “It all begins when you open up the shoebox”

 JWT Shanghai para Anta (2011)  “Tudo começa quando você abre a caixa de sapatos”

Não se deixe enganar pelo nome da marca esportiva Anta. Mais um resultado artístico sensacional, isso sim. O pontapé inicial da campanha foi a construção de esculturas feitas somente a partir de caixas de sapatos. O objetivo era de promover o tênis  que tinha como garotos propaganda, astros da liga nacional de basquete chinesa. A mensagem porém ficou muito mais “esperançosa” do que simplesmente divulgar o produto: a ideia de que uma simples caixa de sapatos pode trazer muito mais do que você imagina.

Todos os anúncios são da JWT Shanghai por 3 motivos: foram os que eu mais gostei, são recentes e não foram difíceis de achar! Mas são várias as agências espalhadas pelo território chinês que entregam trabalhos ótimos. Se você quiser ver mais sobre, aconselho esse site: http://www.creativeadawards.com/tag/china/ 

4 álbuns de figurinha que eu completei (ou quase isso)

A infância foi uma das minhas fases preferidas de vida (não que eu tenha tido muitas, no auge dos meus 19 anos) e sempre lembro com carinho dessas recordações.

Uma diversão dos meus 6 a 13 anos era tentar completar álbuns de figurinhas (ou livros ilustrados, como preferir)! Esses dias lembrei deles e resolvi fazer esse post com algumas curiosidades pessoais! Com vocês, 4 álbuns de figurinha que eu completei (ou quase isso): 

1. TURMA DA MÔNICA

Minha relação com a Turma da Mônica é antiga: aprendi a ler com as histórias dessa baixinha dentuça querida… Depois de alguns meses que o álbum tinha sido lançado (sem muito interesse de minha parte), uma banca perto de casa começou a vender um kit com o álbum e mais 200 pacotinhos de figurinha por um preço bem bacana! O que fiz? Comprei, claro!

Mas como todo criança já sabe, SEMPRE vem repetidas. MUITAS no meu caso. E como ninguém que eu conhecia colecionava esse álbum também, não tinha com quem conseguir as muitas tantas que faltavam. A saída foi pedir direto para a Panini os números que restavam, mas perdeu toda a graça, né? O resultado foi um álbum completo e um bolo enorme de figurinhas repetidas restantes. 

2. W.I.T.C.H. 

Imagem8

Febre entre as meninas do meu colégio, a revista era leitura obrigatória da quinzena. O problema foi que bem na fase em que o álbum foi lançado, aprontei e fiquei por meses de castigo. O que meu pai achou que fosse uma punição a altura? Ficar sem comprar as tais figurinhas! Chorei, chorei e o resultado foi um álbum só com metade das figurinhas coladas (graças a uma amiga que entendendo a situação, me cedia algumas doações de repetidas). 

3. CHIQUITITAS

Ah, desse não tenho muitas memórias, porque era bem menor. Só lembro de passar intervalos e intervalos trocando figurinhas com as amigas enquanto sonhávamos em ser órfãs para fazer parte da novela também (cada coisa que a gente inventa quando é criança)! Completei com muito orgulho e apego, mas os anos passaram e perdi o álbum, sem nem notar.

4. COPA DA FIFA 

Imagem9

Mas nem só de frufrus se fez minha coleção. A maior febre de todas, com certeza, vinha a cada 4 anos. E essa sim, mobilizava a escola inteira: meninos e meninas, do infantil ao colegial. Eu nem curtia tanto futebol (até hoje o desinteresse permanece), mas comprava só pela emoção de partidas de “bafão” no meio do intervalo pra ver quem levava as figurinhas mais disputadas. E claro, admirar a beleza dos jogadores italianos e alemães, embora a seleção dos EUA sempre tivesse os jogadores mais bonitos (e menos talentosos, também).

Enfim, foram anos de cofrinhos quebrados para comprar figurinhas que fizeram minha diversão!